Resenha: O Temor do Sábio — Patrick Rothfuss

Título: O Temor do Sábio (A Crônica do Matador do Rei #2)
Título Original: The Wise Man's Fear
Autor: Patrick Rothfuss
Editora: Arqueiro
Páginas: 960
Lançamento: 2011
Onde comprar: Buscapé

Sinopse:
"Àquela altura da minha vida, eu ganhara uma reputação modesta. Não, isso não é totalmente verdadeiro. É melhor dizer que eu havia construído minha reputação.”
O Nome do Vento, livro de estreia de Patrick Rothfuss, é o começo da história do herói Kvothe, contada de seu próprio ponto de vista. Escondido sob a fachada de proprietário de uma hospedaria, ele é encontrado pelo Cronista, o escriba do rei, a quem promete narrar sua trajetória em três dias. 

O temor do sábio, segundo dia da Crônica do Matador do Rei, é a instigante transformação de um menino em homem, herói e assassino. 

Kvothe está de volta à Universidade, onde sua inteligência brilhante lhe garantiu um crescimento meteórico. Agora ele encara o desafio de estudar nomeação com o Mestre Elodin, enquanto vive um eterno jogo de sedução e desencontros com Denna, a mulher por quem é secretamente apaixonado. 

No entanto, seu temperamento difícil e a crescente rixa com seu rival Ambrose continuam metendo-o em encrencas, até que um dos professores o adverte de que seria melhor que ele se afastasse de lá por um período. 

Kvothe parte numa jornada de aventuras, na qual salvará a vida de um homem “mais rico que o rei de Vint”, combaterá bandidos perigosos na floresta, aprenderá a lutar com os mercenários ademrianos, salvará mocinhas de estupradores e precisará vingar a honra de sua tribo, os Edena Ruh. 

Também conseguirá um feito sem precedentes: sairá são e salvo de um encontro com Feluriana, um ser dos Encantados e a mulher mais linda do mundo, que seduz os homens e depois os mata ou enlouquece. 

Kvothe se descobrirá capaz de invocar o nome do vento sempre que necessário. Em seus primeiros passos como herói, ele adquire muito mais amadurecimento e poder do que jamais poderia imaginar possuir. 
“São as perguntas que não sabemos responder que mais nos ensinam. Elas nos ensinam a pensar. Se você dá uma resposta a um homem, tudo o que ele ganha é um fato qualquer. Mas, se você lhe der uma pergunta, ele procurará suas próprias respostas. [...] Assim, quando ele encontrar as respostas, elas lhes serão preciosas. Quanto mais difícil a pergunta, com mais empenho procuramos a resposta. Quanto mais a procuramos, mais aprendemos.” — Pág. 545
Opinião:

Assim como o primeiro livro (ou Primeiro Dia) dA Crônica do Matador do Rei, este é perfeito. De todos os livros de literatura fantástica que li até o momento, sem dúvida, essa trilogia é a minha favorita. A leitura flui como o vento fresco da primavera por entre as árvores, é tão rica e doce que pode facilmente ser devorada. Cada página lida é como água escorrendo pela garganta, elas nos saciam, mas não nos deixam empanturrados. Nos deixam apenas com mais sede, sede de aventura.

Por mais que eu nunca tenha ouvido uma nota sequer de alaúde, a descrição delicada de Rothfuss faz parecer que as músicas tocadas por Kvothe estão sendo tocadas nos meus ouvidos, eu consigo ouvir e sentir sua presença como o vento. A descrição dOs Quatro Cantos da Civilização, mundo onde se passam as aventuras, é tão bem feita que consigo me imaginar lá, conhecendo cada árvore, cada pedra, cada Monólito Cinzento marcando o percurso. 
“As palavras nem sempre conseguem fazer o trabalho que precisamos que façam. A música existe para quando nos faltam palavras.” — Pág. 769
Em momento algum a leitura nos deixa cansados, pois a escrita de Rothfuss é construída de maneira única, assim como os personagens e aventuras. A mitologia criada por ele é nova, mas tão bem elaborada que assemelha-se as antigas lendas de nosso mundo que, contadas de geração em geração para as crianças, misturando o medo e mágica, nos mostram algo fantástico.

Além disso, o que nos faz gostar cada vez mais do personagem Kvothe, é sua simplicidade, sua força, sua sabedoria, suas mentiras, seus erros, sua coragem e seu medo, sua habilidade e a falta dela. Ele não é um personagem perfeito, sem defeitos, ele se torna perfeito por todos os seus defeitos. 

As 656 páginas de O Nome do Vento e as 960 de O Temor do Sábio ainda não foram e não serão suficientes para me abastecer do mundo e das aventuras de Kvothe, o Arcano, o Sem-Sangue, o Matador do Rei. Agora só me resta esperar pelo Terceiro Dia, e por mais que esteja sedento em ler a continuidade da trilogia, não espero que Patrick Rothfuss a escreva rápido, já que a perfeição leva tempo. E, eu, assim como outros que leram e lerão seus livros, gostaria que terminasse a trilogia da mesma maneira que começou ou, se for possível, até melhor que os livros anteriores. Pra mim, Rothfuss se tornou uma lenda de seu próprio tempo.
“Lembre-se de que há três coisas que todo sábio teme: o mar na tormenta, uma noite sem luar e a ira de um homem gentil.”
A Editora Arqueiro mais uma vez fez um excelente trabalho, como é de sua natureza editorial. O livro tem uma diagramação muito boa, as margens são um pouco pequenas (mas isso se justifica pela quantidade de texto, acredito que foi uma estratégia para que o livro não ficasse mais volumoso do que já é), o tamanho da fonte utilizada é bom para a leitura, as páginas são amareladas e a capa é muito bem acabada. A imagem utilizada, ilustrada por Marc Simonetti (ilustrador dos livros das Crônicas de Gelo e Fogo de George R. R. Martin e da trilogia Dragões de Éter de Raphael Draccon), é muito bonita e transmite a essência do livro. 

O Temor do Sábio, assim como O Nome do Vento, leva
OBS.: O primeiro livro O Nome do Vento pode ser comprado clicando aqui.

4 comentários

  1. Gostei do blog ^^
    http://torradaseca1.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Matheus, que resenha incrível!! hahah adorei quando você fala que A leitura flui como o vento fresco da primavera por entre as árvores. é quase tão poética quanto as próprias palavras do pat <3
    hahahaha

    E, com certeza, é o top dos meus livros preferidos... :D

    Livre Leve Livro

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Gisela,
      Muito Obrigado, fico feliz que tenha gostado da minha resenha. Meu livro de fantasia TOP também...
      Bjs

      Excluir

Topo